Quarta-feira, 28 de Fevereiro de 2007

Alergias

O que são alergias?

Uma alergia é uma reacção excessiva do nosso organismo a substâncias que ele considera nocivas, se bem que não o sejam. Ou seja, uma reacção normal seria a reacção imunológica quando na presença de uma substância nociva. Uma alergia é resultado do "excesso de zelo" do nosso sistema imunitário, uma desregulação do sistema, provocando reacções, mesmo que o elemento estranho não tenha um carácter ameaçador ou perigoso.

A estas reacções nocivas chamamos "hipersensibilidade" ou "alergia". Às substâncias supostamente nocivas chamamos "alérgenos".

O nosso sistema imunitário tem uma base de dados das substâncias "estranhas" com as quais já teve contacto, e da resposta a produzir quando a encontrar novamente. Cada vez que o alérgeno atacar, ele responde por anticorpos específicos memorizados.

Sensibilização - Quando um indivíduo memorizou um alérgeno, diz-se estar sensibilizado, ou seja, o seu sistema imunitário memorizou aquela substância.

Atopia - Frequentemente hereditária, a atopia manifesta-se mais frequentemente através de eczemas, febre dos fenos e asma alérgica. As pessoas atópicas têm uma predisposição para fabricar anticorpos que reagem contra os alérgenos presentes no meio ambiente (pólens, bolores, pó doméstico...)

Tratar da Alergia

A alergia não tem um tratamento miraculoso. O princípio básico é afastar da fonte alergizante, o que nem sempre é fácil, os pólens andam por todo o lado...

O tratamento mais eficaz consiste na dessensibilização, ou antes, hiposensibilização, ou seja, reduzir a "base de bados" do nosso sistema imunitário. Se ele "esquecer" aquele alérgeno, não reagirá com a mesma intensidade. Este tratamento requer paciência e acompanhamento médico, já que consiste na injecção regular de pequenas quantidades do alérgeno em doses crescentes, para habituar o organismo à sua presença. Este tipo de tratamento leva, em média, 3 anos.

A forma mais imediata, ou de emergência, é recorrer aos anti-histamínicos. Não convém abusar deste tipo de tratamento porque estes provocam habituação, reduzindo a sua eficácia. Também podem provocar outros efeitos secundários, como a sonolência.

Animais em casa

Ao contrário do que se costuma ouvir, basta mantê-los limpos, como os tapetes. Os médicos desaconselhavam, em geral, ter animais - muitas vezes por motivos de ignorância em relação aos mesmos. Actualmente, porém, alguns já consideram que o efeito benéfico da companhia dos simpáticos "bichinhos" é superior ao potencial efeito alérgico que os mesmos possam ter.
sinto-me:
tags:

publicado por ne.jr às 17:11
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 27 de Fevereiro de 2007

Não abandone quem não o abandonaria...


«Decreto-Lei n.o 276/2001, de 17 de Outubro, alterado e republicado pelo Decreto-Lei n.º 315/2003, de 17 de Dezembro.


Artigo 6.o-A       -      Abandono


Considera-se abandono de animais de companhia a não prestação de cuidados no alojamento, bem como a sua remoção efectuada pelos seus detentores para fora do domicílio ou dos locais onde costumam estar mantidos, com vista a pôr termo à sua detenção, sem que procedam à sua transmissão para a guarda e responsabilidade de outras pessoas, das autarquias locais ou das sociedades zoófilas.
Punição: alínea b) do n.º 2 o art.º 68.º
Coima: € 500 a € 3740
Destino do Auto: Director-Geral de Veterinária (através da Direcção Regional da Agricultura)


Artigo 7.o      -      Princípios básicos para o bem-estar dos animais


São proibidas todas as violências contra animais, considerando-se como tais os actos consistentes em, sem necessidade, se infligir a morte, o sofrimento ou lesões a um animal.
Punição: alínea c) do n.º 2 o art.º 68.º
Coima: € 500 a € 3740
Destino do Auto: Director-Geral de Veterinária (através da Direcção Regional da Agricultura)

Sempre que conhecer ou  testemunhar alguma destas situações saiba que compete às autoridades garantir que não aconteçam, assegurando a fiscalização e o cumprimento das normas legais vigentes de protecção dos animais. Se conhecer algum caso em que algum animal esteja a ser mantido de forma que lhe seja prejudicial num qualquer espaço, ou que não esteja a receber os cuidados elementares para que o seu bem-estar esteja garantido, ou que tenha sido abandonado (e em que possua elementos acerca de quem o abandonou e das circunstâncias em que foi abandonado), ou que tenha sido ou esteja a ser vítima de  maus-tratos por parte de alguém (seja o detentor do animal ou não), contacte as autoridades. Nao esite.

sinto-me:
tags:

publicado por ne.jr às 14:18
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2007

A ti o meu muito Obrigado!!!

Quando se pára para pensar na vida, são pessoas como tu que nos mostram o quanto é importante sonhar sem esquecer a realidade... Que lá fora existe um mundo e nós fazemos parte dele...
São pessoas como tu que nos obrigam a dizer: "Obrigada por existires, e de alguma forma fazeres parte da minha vida"!

(toma nessa cabeçona...)

sinto-me:

publicado por ne.jr às 11:11
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 22 de Fevereiro de 2007

Como reduzir os riscos de ocorrência de doenças crónicas?

Através da alteração do seu estilo de vida poderá, em pouco tempo, reduzir o risco de desenvolver uma doença crónica.

  • Alterando a dieta alimentar – privilegiar frutas, vegetais, frutos secos e cereais integrais; substituir as gorduras animais saturadas por gorduras vegetais insaturadas; reduzir as doses de alimentos salgados e doces;
  • Iniciando a prática de exercício físico diário;
  • Mantendo um peso normal – Índice de Massa Corporal entre 18,5 e 24,9.
  • Eliminando o consumo de tabaco.

Já está comprovado que as intervenções comportamentais sustentadas são eficazes na redução dos factores de risco para a população. Mais de 80 por cento dos casos de ocorrência de doenças cardíacas coronárias, 90 por cento dos casos de diabetes de tipo 2 e de um terço das ocorrências de cancro podem ser evitados através da alteração dos hábitos alimentares, do aumento de actividade física e do abandono do tabagismo.

Por: (OMS)

sinto-me:
tags:

publicado por ne.jr às 17:11
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

De acordo com a OMS, as doenças crónicas são a principal causa de morte e incapacidade no mundo.

Qual é o impacto das doenças crónicas no mundo?

A Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que as doenças crónicas de declaração não obrigatória, como as doenças cardiovasculares, a diabetes, a obesidade, o cancro e as doenças respiratórias, representam cerca de 59 por cento do total de 57 milhões de mortes por ano e 46 por cento do total de doenças. Afectam países desenvolvidos e países em vias de desenvolvimento. Mas podem ser prevenidas.

 A expansão das doenças crónicas reflecte os processos de industrialização, urbanismo, desenvolvimento económico e globalização alimentar, que acarretam:

  • Alteração das dietas alimentares;
  • Aumento dos hábitos sedentários;
  • Crescimento do consumo de tabaco.
  • Cerca de metade das mortes causadas por doenças crónicas está directamente associada às doenças cardiovasculares.

Os ataques cardíacos e os enfartes do miocárdio matam cerca de 12 milhões de pessoas por ano. A hipertensão e outras doenças cardíacas matam, por sua vez, 3,9 milhões de pessoas. Cerca de 75 por cento das doenças cardiovasculares são atribuíveis a:

  • Colesterol elevado;
  • Tensão arterial elevada;
  • Dieta pobre em frutas e vegetais;
  • Sedentarismo;
  • Tabagismo.

Calcula-se que, em todo o mundo, existam 177 milhões de pessoas a sofrer de diabetes, sobretudo de tipo 2. Dois terços do total vivem nos países em vias de desenvolvimento. Mais de mil milhões de adultos sofrem de excesso de peso. Destes, pelo menos 300 milhões são clinicamente obesos.

Por: (OMS)

sinto-me:
tags:

publicado por ne.jr às 17:01
link do post | comentar | favorito

O treino do seu gato

Ensinar o seu gato a ser asseado dentro de casa

O gato é por natureza um animal bastante limpo e normalmente nem é preciso despender muito tempo a ensiná-los a usarem a caixa de areia ou a irem à rua. No entanto se tiver alguns problemas a ensinar o seu gato a ser asseado em casa deve fazer algumas tarefas: mantenha a caixa sempre limpa substituindo o fundo (areia por exemplo) pelo menos uma vez por semana; coloque-a num local tranquilo longe da comida; nunca coloque a caixa em cima de uma carpete ou alcatifa pois estas serão mais atractivas para o gato urinar; não troque frequentemente o local da caixa pois pode confundir o gato. Se o seu gato recusar-se definitivamente a usar a caixa experimente alterar seu fundo/conteúdo. Existem alguns diferentes tipos de fundos para as caixas higiénicas dos gatos disponíveis à venda nas lojas de animais de estimação.
Se após várias tentativas não conseguir ensinar o seu gato a ser asseado consulte o seu veterinário pois pode estar presente qualquer infecção urinária.

sinto-me:

publicado por ne.jr às 15:01
link do post | comentar | favorito

Gatos Ruidosos! Controlar o miar excessivo...

Alguns gatos são mais ruidosos do que outros. O facto de miarem muito é uma característica curiosa e muito agradável no que se refere aos gatos orientais mas não é exclusivo destes. No entanto se se tornar incomodativo não irá conseguir mudá-lo na sua totalidade. Afinal, não se consegue mudar as riscas de um tigre.

Algum deste ruído é inato: Os gatos chamam as suas mães quando desejam algo. O dono é uma extensão desta, considerado como o fornecedor de alimento, como tal existe uma transferência para o mesmo.

No entanto bastante deste ruído é resultado de aprendizagem. O gato aprende gradualmente que sempre que faz ruído desencadeia uma reacção no dono agradável para ele, seja dar-lhe comida, dar-lhe água, deixá-lo entrar dentro de casa ou no quarto.

Esta situação pode ser desagradável se o gato chegar à conclusão que os seus miados lhe permitem controlar o dono. Surpresos? Pois bem é assim. Não são invulgares as situações em que pessoas com pouco treino a lidar com animais se tornam brinquedos nas patas de seus animais. Além de terem o problema de não conseguirem controlar o seu animal incorrem no risco ( no caso de viverem em condomínios) de terem problemas com os outros vizinhos.

Esta situação do miar excessivo é muitas vezes assumida pelos donos como sendo falta de companhia. Nada pior. Os mesmos erros serão cometidos com o novo gato e teremos o problema duplicado.

Para treinar novamente o seu gato a ter uma atitude menos excessiva, resolva não dar demasiada atenção aos seus pedidos, nem demasiadamente rápido. Se começar por ter uma atitude negativa sempre que ele começa com os miados então com o tempo ele poderá aprender que o fazer muito barulho é um estímulo negativo e como tal, tornar-se-á mais quieto. Utilizando esta técnica com um pouco de bom-senso (o animal pode mesmo precisar de ajuda) poderá obter bons resultados.

De outra forma terá uma situação incontrolável.

Por: Carla Costa (HVP)

sinto-me:

publicado por ne.jr às 14:47
link do post | comentar | favorito

Início

Iniciando-me nestas andanças... A ver vamos como isto corre... Um obrigado desde já pela vossa visita...
sinto-me:

publicado por ne.jr às 11:57
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Animal não é um brinquedo...

. Dicas para que os animais...

. Este gato vai dar que fal...

. vejam...

. Como apresentar um cão a ...

. 10 Sinais que os Gatos fa...

. Criancinhas

. Curiosidades sobre gatos

. Factos e mitos acerca dos...

. Agressão felina

.arquivos

. Novembro 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds