Quarta-feira, 28 de Março de 2007

Criancinhas

Um dia destes, vão ser os paizinhos a ir parar ao hospital com um pontapé e um murro das criancinhas no olho esquerdo
 
 
 
A criancinha quer Playstation. A gente dá.

A criancinha quer estrangular o gato. A gente deixa.

A criancinha berra porque não quer comer a sopa. A gente elimina-a da ementa e acaba tudo em festim de chocolate.

A criancinha quer bife e batatas fritas. Hambúrgueres muitos. Pizzas, umas tantas. Coca-Colas, às litradas. A gente olha para o lado e ela incha.

A criancinha quer camisola adidas e ténis nike. A gente dá porque a criancinha tem tanto direito como os colegas da escola e é perigoso ser diferente.

A criancinha quer ficar a ver televisão até tarde. A gente senta-a ao nosso lado no sofá e passa-lhe o comando.

A criancinha desata num berreiro no restaurante. A gente faz de conta e o berreiro continua.

Entretanto, a criancinha cresce. Faz-se projecto de homem ou mulher.

Desperta.

É então que a criancinha, já mais crescida, começa a pedir mesada, semanada, diária. E gasta metade do orçamento familiar em saídas, roupa da moda, jantares e bares.

A criancinha já estuda. Às vezes passa de ano, outras nem por isso. Mas não se pode pressioná-la porque ela já tem uma vida stressante, de convívio em convívio e de noitada em noitada.

A criancinha cresce a ver Morangos com Açúcar, cheia de pinta e tal, e torna-se mais exigente com os papás. Agora, já não lhe basta que eles estejam por perto. Convém que se comecem a chegar à frente na mota, no popó e numas férias à maneira.

A criancinha, entregue aos seus desejos e sem referências, inicia o processo de independência meramente informal. A rebeldia é de trazer por casa. Responde torto aos papás, põe a avó em sentido, suja e não lava, come e não limpa, desarruma e não arruma, as tarefas domésticas são «uma seca».

Um dia, na escola, o professor dá-lhe um berro, tenta em cinco minutos pôr nos eixos a criancinha que os papás abandonaram à sua sorte, mimo e umbiguismo. A criancinha, já crescidinha, fica traumatizada. Sente-se vítima de violência verbal e etc e tal. Em casa, faz queixinhas, lamenta-se, chora. Os papás, arrepiados com a violência sobre as criancinhas de que a televisão fala e na dúvida entre a conta de um eventual psiquiatra e o derreter do ordenado em folias de hipermercado, correm para a escola e espetam duas bofetadas bem dadas no professor «que não tem nada que se armar em paizinho, pois quem sabe do meu filho sou eu».

A criancinha cresce. Cresce e cresce. Aos 30 anos, ainda será criancinha, continuará a viver na casa dos papás, a levar a gorda fatia do salário deles. Provavelmente, não terá um emprego. «Mas ao menos não anda para aí a fazer porcarias».

Não é este um fiel retrato da realidade dos bairros sociais, das escolas em zonas problemáticas, das famílias no fio da navalha? Pois não, bem sei. Estou apenas a antecipar-me. Um dia destes, vão ser os paizinhos a ir parar ao hospital com um pontapé e um murro das criancinhas no olho esquerdo. E então teremos muitos congressos e debates para nos entretermos.
 
por: Miguel Carvalho in A DEVIDA COMÉDIA
        visão.pt

publicado por ne.jr às 14:50
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 27 de Março de 2007

Curiosidades sobre gatos

Mistérios felinos desvendados...

 

Curiosidades sobre gatos Os gatos são animais fascinantes e místicos. Existe muito a dizer sobre este animal e deixamos aqui algumas curiosidades que tentam desvendar algumas das questões mais engraçadas sobre estes bichinhos.

· O Maicis, antecessor genético dos gatos, era um pequeno animal que vivia em cima de árvores há 40/50 milhões de anos atrás.

· Os antigos Egípcios tinham pelos gatos uma adoração como se fossem Deuses.

· Os gatos foram domesticados no Antigo Egipto, há mais de 4000 anos atrás.

· No Antigo Egipto, matar um gato era um crime punido com a morte.

· Ainda no Antigo Egipto, eram feitas múmias de gatos que eram colocadas em túmulos juntamente com ratinho embalsamados. Numa antiga cidade foram encontradas 300.000 múmias de gatos.

· A região do cérebro responsável pelas emoções é igual nos homens e nos gatos.

· O cérebro do homem é muito mais parecido com o do gato do que com o do cão.

· Contrariamente ao que a maioria das pessoas pensa, cortar as unhas aos gatos é algo muito diferente do que por exemplo, cortar as unhas a um cão. no caso dos gatos isto implica a amputação da primeira junto do dedo dos gatos, o que é muito doloroso. É por esta razão que tal prática é proibida em muitos países. Se quiser saber mais sobre este assunto pode aceder ao site www.stopdeclaw.com

· Os gatos têm especial preferência por nomes terminados no som “i”.

· Quando sente muita dor, o gato treme.

· O ronronar pode ser um sinal de medo ou de dor, além da típica associação a alegria e prazer.

· Os bigodes do gato servem para ele medir as distâncias e são um total de 24, agrupados de 4 em 4.

· A audição dos gatos é muito mais sensível do que a nossa porque os seus ouvidos afunilados servem como que de megafone que canaliza e amplifica os sons. Assim, os gatos conseguem ouvir até 65 khz (kilohertz), e os homens apenas até 20 khz.

· Só com cerca de duas semanas de vida é que os gatos já ouvem bem e os seus olhos abrem por volta do sétimo dia.

· Enquanto o Homem possui cerca de 5 a 20 milhões de células olfactivas, os gatos possuem cerca de 60 a 80 milhões! Além destas células existe um outro orgão que serve a mesma função olfactiva e que está situado no céu da boca, que é o orgão de Jacobson. É um analisador de odores que é activado quando o gato sente odores fortes.

· Os gatos têm apenas 30 dentes, enquanto os cães têm 42. Os dentes de leite são substituídos pelos permanentes, por volta dos 7 meses de idade.

· Já alguma vez viu um gato a cheirar um flor? De facto, eles gostam muito de cheiros de loções e perfumes e tentam não perder uma oportunidade para sentir tais aromas!

· Enquanto o homem possui 206 ossos os gatos possuem 245.

· Os gatos possuem mais 5 vértebras que os humanos; são 30 no seu total.

· O gato usa a cauda para se equilibrar.

· Cerca de 10% dos ossos do gatos está situada na cauda, de tal modo que o equilíbrio seja assegurado.

· A cauda é um termómetro do estado de humor do gato. E a propósito de cauda, o gato doméstico é o único capaz de andar com a cauda erecta.

· Os gatos domésticos detestam limões, laranjas ou qualquer outro citrino.

· Ao afiarem as garras, os gatos deixam um sinal porque têm glândulas nas patas que segregam uma substância, que serve como de aviso para os outros gatos que lá estiverem. Mas não é só nas patas que existem estas glândulas. Elas existem também na face, no pescoço, nos ombros e na cauda.

· Após uma refeição, os gatos lavam-se imediatamente. Porquê? É o instinto de sobrevivência que os leva a agir de modo a que os predadores não sintam o odor da comida e possam atacá-los.

· Os gatos são os mamíferos com os olhos maiores, proporcionalmente ao tamanho do corpo.

· Os gatos não conseguem ver na escuridão completa.

· Os gatos sempre foram conhecidos pela grande capacidade visual mas qualquer coisa num raio inferior a 15 cm torna-se muito desfocada.

· Os gatos vêem melhor à noite, quando comparados com os humanos porque apenas precisam de 1/6 da luz que o Homem precisa. Mas para conseguir ver com pouca luz, ele prescindiu de conseguir ver os pequenos detalhes, vêem-nos desfocados.

· O campo de visão de um gato é de 185 graus.

· Por serem muito sensíveis à luz, os seus olhos adquiriram pupilas verticais que quando estão totalmente aberta, ocupam uma área proporcionalmente maior do que a pupila humana.

· Ao fundo dos olhos, os gatos possuem uma camada de células designadas de “tapetum lucidum” que servem para que após a absorção da luz, esta seja reflectida através dessas mesmas células de volta para a retina fazendo com que os receptores que não tenham captado a luz, o possam fazer agora. Assim, a capacidade dos receptores da retina é amplificada em 40%. Podemos então dizer que os gatos vêem bem no escuro porque os seus olhos reflectem a luz, funcionando como pequenos faróis!

· Ainda que alguns estudos defendam que os gatos sejam daltónicos, outros vêem afirmar que os gatos conseguem distinguir nitidamente o amarelo, o verde e o azul.

· Apenas um em cada mil gatos cor-de-laranja é fêmea.

· O QI dos gatos só é ultrapassado (no reino animal) pelo dos macacos e dos chimpanzés.

Por: Carla Nogueira VIVAPETS.COM


publicado por ne.jr às 10:24
link do post | comentar | favorito

Factos e mitos acerca dos gatos

O que se diz por ai dos nossos amigos felinos... será verdade?

Existem certas crenças populares acerca dos nossos amigos felinos. Verdade? Mentira? Analisemos algumas deles:

O gato ronrona porque está contente.
Falso. Certos gatos em sofrimento também ronronam. O ronronar indica uma disposição social amigável e pode ser dado como sinal para, por ex., um gato veterano, informando que certo gato com problemas tem necessidade de amizade, ou pode constituir um sinal para o dono, exprimindo o agradecimento pela amizade obtida. O ronronar traduz um comportamento infantil. Os gatinhos ronronam a partir da primeira semana de vida e isso indica à mãe que tudo está bem com a sua prole. Já nos gatos adultos isso traduz uma certa dependência do contacto entre os donos e os gatos.

Os gatos arranham o sofá por puro prazer.
Verdadeiro. O gato arranha a superfície que ele entende que lhe dá boa chance de eliminar as unhas velhas, renovando as garras. Também o faz para marcar território, colocando aí “marcas de cheiro” imperceptíveis aos nossos precários narizes, visto que os felinos possuem glândulas odoríficas na parte inferior das patinhas. Quanto mais o gato usa essa superfície, mais é atraído a ela, pois possui o seu cheiro. O gato também arranha como forma de exercício, espreguiçando-se.

Os gatos são traiçoeiros: quando se oferecem de barriga, mordem quem lhes faz festas.
Falso. O gato deita-se de costas oferecendo a barriga apenas a quem ele considera amigo íntimo. É como se o seu gato dissesse: “ eu mostro-te a minha barriga em demonstração da minha confiança em ti, por adoptar esta postura tão vulnerável na tua presença”. Mas uma coisa é mostrar, outra bem diferente é deixar acariciar! Nem sempre é seguro concluir que um gato nessa posição espera ser acariciado. Muitas vezes a resposta é uma violenta sapatada com as patas traseiras. A região abdominal é tão fortemente protegida que os gatos não apreciam contactos nessa zona. Por isso eles estabelecem um limite que os donos nem sempre entendem: podem ver, mas não devem tocar!

Os gatos adultos tacteiam o colo dos donos com as patas dianteiras confundindo o dono com a própria mãe.
Verdadeiro. É deveras aborrecido quando o nosso gato salta para o nosso colo, tendo as unhas compridas, desata a “amassar-nos” com aquelas unhas, baba-se todo e nós ficamos com as pernas doridas e acabamos por mandá-lo para o chão! O pobre gato fica mesmo desapontado! Porquê? Na realidade ele julga que nós somos a mãe-humana dele. São esses os movimentos que ele tinha quando mamava na mãe, a fim de espremer o leite. O babar-se revela a atitude de mamar. Esta reminiscência de comportamento infantil deve-se ao facto que os gatos caseiros continuam a ser cuidados e alimentados por nós humanos, e o gato adulto permanece gatinho em muitos sentidos, encarando-nos como falsas mães. Não faça o gato infeliz! Corte-lhe as unhas e deixe-o “pisar o leite” no seu colo, coitado!

Os gatos enterram os excrementos porque são asseados
Falso. Em primeiro lugar é para eliminar o cheiro que exalam. Na realidade, se estivermos perante um gato dominante, ele NÃO ENTERRARÁ os seus excrementos, deixando-os bem à vista para marcar território. O facto dos nossos gatos enterrarem tão bem os excrementos revela o quanto eles se sentem subordinados em relação a nós. Acham-nos fisicamente mais fortes e sabem que controlamos o seu modo de vida (especialmente porque somos nós que lhes fornecemos o seu alimento). Quando um gato deixa as fezes por enterrar é sinal que algo está errado. Pode ser uma questão de auto-afirmação, dominância em relação a outro animal lá em casa ou pode ter aversão ao material absorvente que existe no caixote.

Os gatos cuidam do pêlo por uma questão de higiene.
Verdadeiro. Mas não só. Realmente lamber o pêlo amacia-o, permite que ele seja uma capa de isolamento contra as intempéries, mas também ao molhar o pêlo, o gato refresca-se nos dias de maior calor. O gato também se lambe para aliviar o stress. Daí que gatos muito enervados se lambam compulsivamente. Este será um caso a ser visto pelo médico veterinário, se o gato se lamber tanto a ponto de ficar sem pêlo em certas zonas.

Os gatos também se lambem para ficar com o seu próprio cheiro, ou para eliminar outros cheiros que estejam no pêlo. É o caso do gato que vai lamber o pêlo depois dono lhe ter feito uma festa. O animal vai eliminar o cheiro da mão do dono, substituindo-o pelo cheiro da sua saliva. Os gatos lambem-se para estreitar o seu relacionamento social. Há que ter em atenção a formação das temidas bolas de pêlo no estômago. Fale com o veterinário acerca de uma pasta de malte para a sua eliminação.

Os gatos abanam a cauda quando estão zangados.
Verdadeiro. O abanar a cauda reflecte um estado agudo de conflito mental. Colocado perante uma situação difícil em que o animal pode ter duas reacções possíveis, o gato fica quieto e abana a cauda. Quando uma decisão é tomada, acaba o conflito e a cauda fica quieta. Por exemplo, o gato está a ser acariciado. Não lhe apetece receber festas. Ele entra em conflito: ou morde para desencorajar o dono ou foge. A cauda começa a chicotear. Assim que resolve o problema, deixa de abanar a cauda.

Os gatos odeiam as portas.
Verdadeiro. As portas são um entrave à vida social normal do gato! Por vezes o gato mia para sair de casa. Assim que sai, ao fim de 10 minutos já está a miar para voltar a entrar. Nada mais natural se entendermos o motivo. O gato quer inspeccionar as suas redondezas, recolher informações e avivar as marcas dele deixadas no seu território. Uma curta vistoria para cumprir com todos estes objectivos é o suficiente para pôr o bichano feliz. E é claro, ele não troca o conforto do lar pelo perigoso exterior!

Os gatos só vêm a preto e branco
Falso. Estudos recentes provaram que os gatos conseguem distinguir entre o vermelho e o verde, o vermelho e o azul, o vermelho e o cinzento, o verde e o azul, o azul e o cinzento, o amarelo e o azul e o amarelo e o cinzento. Mas seja como for, as cores não são tão importantes na vida dos gatos como são na nossa.

As gatas com o cio miam por que estão a sofrer
Falso. O miado constante bem como o acto de se rebolar constitui um comportamento sexual feminino felino normal. É preciso notar que os gatos em circunstâncias normais são silenciosos e até passam despercebidos. A sua comunicação depende muito de sinais olfactórios e não tanto de sons, tal como se passa nos cães. A fim de atrair os machos, as fêmeas em cio têm de adquirir posturas “anormais”, fazendo barulho, rebolando-se, exibindo-se, tudo para atrair os machos. O miado não envolve sofrimento nenhum, assim como qualquer fêmea de qualquer espécie animal com cio não sofre dores nenhumas.

Ter um gato reduz o stress e melhora a saúde do dono
Verdade. O contacto físico com um animal reduz bastante o stress dos donos. Basta acariciar um gato para de facto reduzir naturalmente a pressão arterial! Os benefícios para milhões de pessoas que sofrem de doenças cardiovasculares é indescritível. De vez em quando alguns de nós ficamos feridos e traumatizados psicologicamente. Por vezes deixamos até de confiar nos seres humanos, de tantas decepções nos causarem... para estas pessoas, uma ligação com um gato pode proporcionar grandes recompensas, destruindo as suspeitas e sarando feridas antigas. Cuidar de um animal descontrai e até é usado como terapia em certas instituições de saúde que cada vez mais utilizam os animais como fonte de terapia e apoio psicológico a doentes internados.

Por: Sofia Marques (médica veterinária): Animais e Companhia

 


publicado por ne.jr às 10:20
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 20 de Março de 2007

Agressão felina

É necessário fazer um pouco o trabalho de detective para perceber porque razão o seu gato morde ou lhe deita as unhas de fora.
Na verdade, a agressão pode assumir várias formas e a solução do problema passa, geralmente, por encontrar a verdadeira causa ou causas do comportamento:


MEDO OU DOR:


Se o seu gato anda com passos rasteiros é porque está com medo ou sente alguma dor. O melhor é deixá-lo sozinho para que, por si próprio, recupere a confiança.
Um gato com dores ou com medo tem as orelhas para trás, quase coladas à cabeça, e o corpo assume uma forma arqueada. Movimenta-se rasteiramente e as unhas estão prontas a entrar em acção.
No fundo o que ele quer dizer é: “afasta-te de mim!”. E, de facto, é o melhor que tem a fazer... Deixe-o sozinho até que se acalme. É então hora de visitar o veterinário. Lembre-se: nunca tente lutar contra um gato agressivo, pois vai arrepender-se.


BRINCADEIRAS PERIGOSAS:


Quando um gato anda a rondar as suas pernas e, de repente, ataca, acredite que a intenção não é magoar. É apenas um desafio para brincar.
Arranje um boneco nas lojas de produtos para animais. As suas pernas, braços ou mãos deixarão de ser alvos apetecíveis.
As brincadeiras com os gatos são importantes pois, além de divertidas, fazem com que o seu tigre gaste as energias em excesso.
Se as brincadeiras não forem suficientes para acabar com os ataques, continue a dar a entender que o seu corpo não é um boneco de trapos... Use uma campainha ou um borrifador quando uma das brincadeiras de mau gosto estiver prestes a começar.

 

EXCESSO DE ATENÇÃO:


Está a acarinhar o seu gato e de repente leva uma mordidela e sente as garras cravadas na pele sem saber como. O que fazer? Em termos mais imediatos não responda na mesma moeda. O caso pode, de facto, torna-se sério.
O melhor é dar-lhe um grito dissuasivo ou bater com a palma da mão num tampo de uma mesa. Contudo, se permanecer imóvel, a “fera” acalma-se por si própria e deixa-o em paz.
Estas podem ser algumas soluções eficazes se o comportamento do seu gato se tornou algo agressivo.
Mas a melhor opção é evitar que a situação se repita, tentando compreender a psique e linguagem corporal da "fera": Acaricie o gato mas saiba quando parar.
Muitas pessoas pensam que estes ataques repentinos chegam sem aviso, mas na verdade os sinais de aviso do seu tigre são perceptíveis se prestar mais atenção à sua personalidade independente.
Um dos sinais mais visíveis é a cauda: se o seu gato começar a dar à cauda é altura de acabar com as festinhas.
Lembre-se que o tempo de tolerância é mais reduzido se fizer festas na barriga do seu gato.
Este comportamento tem origem nos instintos sexuais dos pequenos felinos. Os machos, em particular, ficam excitados quando se faz festas na barriga e respondem com uma mordidela – porque é essa a atitude durante o acasalamento.


publicado por ne.jr às 16:53
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sentidos felinos

Ao contrário do cão, que só conta com o nariz muito desenvolvido; o gato aplica os seus sentidos todos, porque todos eles são extremamente desenvolvidos.

Olhos - o gato não tem a necessidade de pestanejar, porque possui uma membrana (membrana nictitante), que mantem os olhos húmidos.
Os gatos conseguem ver tudo á frente e ao lado dos olhos, reconhecem o tamanho, a forma e a distância exacta dos objectos. Os gatos conseguem ver um objecto da mesma maneira, quer esteja a 2 ou a 6 metros, devido a uma espécie de "zoom" que conseguem aplicar. No entanto, não tem uma distinção de cores apurada. Só distinguem o preto, o branco, o azul, o verde, e misturam o amarelo com o vermelho.
Mas os gatos tem outra capacidade: a sensibilidade dos olhos permite a um gato ver perfeitamente um objecto a 10 metros na escuridão total, como se fosse de dia. É a dupla reflexão que faz com que os olhos dos gatos brilhem tanto na presença de luz, mesmo que seja pouca.

Cheirar - 200 milhões de células na garganta dos gatos permitem-lhes cheirar tudo. No palato, possuem um orgão especial para cheirar: o orgão de Jacobson.

Paladar - o gato distingue o sabor dos alimentos através de nervos que possuem na lingua. No entanto, só come o que cheira bem, e não o que tem um bom sabor.

Ouvidos - as orelhas são muito sensíveis a vibrações. Entre 20 hertz e 65 quilohertz, nada escapa ao gato! A mobilidade das orelhas permitem-lhes localizar com exactidão a proveniência de determinado som. O gato detecta ratos porque os ratos emitem ultrasons entre si, ultrasons esses que os gatos conseguem captar. Através dos sons, os gatos orientam-se. É graças aos sons familiares ou conhecidos e á sua memória imaginativa que os gatos conseguem re-encontrar os seus lares. Para este facto, utiliza també os cheiros conhecidos e as imagens que grava do que os olhos vêm.

Tacto e o 6º sentido - O gato possui por entre o pêlo os chamados pêlos tacteis, que não se situam só no bigode. E é nestes pêlos tacteis que provavelmente está a explicação para o facto de os gatos pressentirem tremores de terra, explosões vulcãnicas, etc..., porque os pêlos tacteis dos gatos notam a pressão do ambiente e alterações de temperatura. Este é, portanto, o misterioso sexto sentido do gato.
Estes pêlos tacteis situam-se á volta dos lábios e dos olhos.

Bibliografia - Gatos - companheiros de patas de veludo


publicado por ne.jr às 16:46
link do post | comentar | favorito

Capacidades extraordinárias dos gatos...

 

O gato tem 244 ossos e 512 músculos, o que o torna num animal extremamente bem desenvolvido. As suas capacidades físicas e os sentidos apurados conferem-lhes agilidade, velocidade e flexibilidade. O gato consegue virar-se e mexer-se de qualquer  maneira desde a cabeça até ás patas posteriores. Consegue esticar totalmente o corpo e virar a cabeça 180 graus.

As patas dianteiras estão providas de 5 dedos, enquanto que as traseiras têm 4. As caracteristicas das patas permitem ao gato andar sem fazer o mínimo de ruído e ter um equilibrio fora do comum.
Para não gastar desnecessariamente as unhas, o gato contrai as garras.

O cuidado que um gato tem consigo mesmo é enorme. A sua higiene corporal é única, para alem de que mantem sempre as suas unhas afiadas para qualquer situação.

De uma posição totalmente imobilizada, o gato tem a capacidade de saltar para todos os lados. Em altura, consegue saltar até 5 vezes o seu tamanho corporal, atingindo com facilidade um salto de dois metros.
Em queda, o gato tem a capacidade de articular o seu corpo de forma a não sofrer com o impacto, bem como atingir rapidamente o equilibrio, usando a cauda.

Na verdade, quase não existem obstaculos naturais para um gato. No entanto, este animal tem uma "falha" nas suas aventuras. É que, o gato tem uma grande capacidade para subir, trepar, saltar, para alem de adorar as alturas. Mas o gato tem uma terrível dificuldade em descer! É por isso que muitas vezes é necessário auxilio humano para, por exemplo, tirar um gato de uma árvore, árvore essa que ele sobe com facilidade mas não consegue descer.

O gato tem 30 dentes em máxilas fortes. Os mais importantes são os 4 caninos, que demonstram os seus ares de caçador. O gato possuí mais 6 dentes em cima e 10 em baixo.

Bibliografia - Gatos - companheiros de patas de veludo


publicado por ne.jr às 16:43
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 15 de Março de 2007

Identificação Electrónica de Animais

O microchip.

Identificação Electrónica de Animais

Foi já alguns anos a esta parte adoptado pela Comunidade Económica Europeia um sistema de identificação para animais mediante a aplicação subcutânea de um transponder, que tem o tamanho de um bago de arroz e possui um código alfanumérico.

É muito importante fazer a aplicação deste microchip. Conseguimos desta forma lutar contra o abandono de animais e também em caso de roubo, poder legalmente ter uma prova da propriedade do animal.

Portugal possui um banco de dados já instalado que dá pelo nome de SIRA - Sistema de Identificação e registo de dados. A aplicação do microchip e um acto médico e por conseguinte só o médico veterinário o pode fazer. Logo de seguida deve ser comprovado se o microchip está correctamente colocado na parte esquerda do pescoço do animal, fazendo-se a sua leitura através de um pequeno aparelho portátil que mostra no seu visor o código alfanumérico correspondente a identificação do animal.

Depois é preenchida uma ficha de registo em triplicado, com a identificação do animal e do seu proprietário, ficando o original com o proprietário, uma cópia fica no arquivo do médico veterinário e a outra é envida para o SIRA para introdução dos elementos já referidos anteriormente.

As consultas ao SIRA a partir dos centros de identificação (médicos veterinários) ou das autoridades (câmaras municipais, sociedades protectoras, etc.) são gratuitas e podem ser feitas por via telefónica, postal ou Fax. O SIRA pode ainda fornecer aos proprietários dos animais uma ficha de proprietário com descriminação de todos os animais registados em seu nome, bem assim como providenciar o envio de circular alerta a todos os centros de identificação em caso de extravio dos mesmos animais. Bancos de dados semelhantes estão já instalados em diferentes países da CE.

Em resumo, é de primordial importância que o seu animal esteja devidamente identificado. Este sistema não causa qualquer tipo de dor na introdução subcutânea do mesmo e no caso de roubo é a única forma de ter uma prova de propriedade do seu animal de estimação.

Por: Mário Santos-HVP


publicado por ne.jr às 17:10
link do post | comentar | favorito

Quem é mais inteligente, o cão ou o gato?

A eterna questão...

Quem é mais inteligente, o cão  ou o gato?

 

Algumas pessoas apontam para a capacidade do cão em seguir ordens do seu dono como uma prova de que são mais inteligentes do que os gatos. Pelo contrário, outros interpretam o mesmo facto como prova de que a inteligência felina é superior à canina.

Nós não iremos seguir nenhum destes argumentos mas sim falar de uma razão quiçá mais lógica para este comportamento diferenciado. Os gatos e os cães respondem de formas díspares face às atitudes do  homem porque atavicamente são animais diferentes.

Os cães são animais gregários, criam uma estrutura complexa de vida em grupo com hierarquias. De facto, o cão tem necessidade de se encaixar numa família ( digamos assim) de forma a que saiba onde está e para onde vai, daí uma maior capacidade em termos de aprendizagem, exactamente por ser um animal gregário, cujos antepassados caçavam em alcateia e onde a sobrevivência diária, desde a defesa de ataques até á caça, à fuga e à reprodução, dependia de uma estrutura social a ser respeitada.

O mesmo já não se passa com os gatos. Este são descendentes de caçadores solitários que não tinham nem têm necessidade de trabalho de grupo para sobreviver (com excepções).
Fazendo uma comparação como um apreciador de gatos, dir-se-ia que os cães estão connosco porque precisam, os gatos, porque assim o escolhem.

Devido à distinção feita, não se consegue levar um gato a fazer algo que ele não queira, torna-se necessário efectuar um treino com um reforço positivo, geralmente comida, mas por vezes, festas ou um brinquedo.

Para alguns treinos o cão faz a actividade sem necessitar desse reforço positivo.

Ao longo dos tempos várias forma de tentar medir o Q.I. de cães e gatos foram estabelecidas, com os resultados mais díspares. Tais tabelas têm o inconveniente de serem subjectivas e como tal podem ser injustas em certas ocasiões.

Com um ligeiro desvio do assunto, uma tabela de classificação de inteligência de raças de cães causou celeuma na Grã Bretanha por relegar para último plano o Pastor alemão, tido como uma das raças mais versáteis em treinamento. A partir desta situação ,as tentativas de classificação são vistas somente como indicativas pois reflectem sempre a subjectividade dos examinadores.

Qual será o mais inteligente? Como procurámos demonstrar, não são realidades comparáveis.
Pelo menos do ponto de vista de cada dono de cão ou de gato saberemos sempre qual a resposta que iremos ouvir...

....O meu, claro !!

Por: Dra. Cristina Alves: HVP


publicado por ne.jr às 17:03
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 14 de Março de 2007

Cuidados com os gatos...

Precauções a ter com os nossos amigos felinos...

 

Cuidados com os gatos...

 

A grande maioria das pessoas com crianças pequenas passa grande parte do seu tempo a descobrir maneiras de tornar a sua casa à prova de acidentes.

Por incrível que pareça o mesmo acontece( ou deveria acontecer) com as pessoas e os seus gatos.

Os gatos são animais naturalmente curiosos e que têm poucas defesas contra as muitas armadilhas caseiras que inconscientemente se apresentam aos mesmos no decorrer do dia a dia.

Os gatos procuram o calor. Como tal, onde exista uma nesga de sol ou uma zona quente, é onde mais facilmente encontraremos um gato. Não é ficção a história da senhora que colocou o gato na máquina de lavar roupa e a colocou a trabalhar, infelizmente. Os gatos escondem-se nos locais mais estranhos pelo que devemos ter sempre o máximo cuidado. Em termos de calor, deve evitar deixá-lo demasiado próximo da lareira, se esta não estiver protegida, uma vez que há o risco de a pelagem se poder incendiar com faúlhas ou o gato se poder queimar numa protecção demasiado aquecida.

Os gatos são muito sensíveis a insecticidas e o envenenamento acidental é uma das causas mais comuns de morte nos gatos, tanto por ingestão dos mesmos na cozinha por acidente ou por mastigar plantas caseiras às quais foram aplicados insecticidas ou herbicidas.

As próprias plantas que possuímos em nossa casa são tóxicas para os gatos. Uma lista completa pode ser observada em http://www.cfainc.org/articles/plants.html .

Nunca deve usar produtos antiparasitários em gatos que não sejam específicos para eles e mesmo que o sejam, nunca o deve fazer sem falar com o único profissional habilitado para avaliar da justeza da sua aplicação: o médico-Veterinário.

Da mesma forma, nunca deve medicar o seu gato com medicamentos não indicados por um médico-veterinário. Quantidades ínfimas são fatais para o gato, pois é um animal extremamente sensível a fármacos.

Fios e linhas podem parecer á primeira vista uma forma de lazer óptima para os gatinhos. Com uma simples bola de papel pendurada em um cordel estão asseguradas horas de brincadeira. No entanto, muitos gatos morrem pela ingestão dessas linhas: essas brincadeiras devem ser sempre supervisionadas.

Gosta de coser as suas roupas ? Infelizmente os gatos também gostam de agulhas. Estas e botões são amiúde ingeridas pelos mesmos requerendo cirurgia imediata de forma a salvar a vida do animal.

O gato de casa corre ainda riscos acrescidos caso more num apartamento. Quanto mais alto, maior o potencial de queda. Tratámos gatos que chegaram a cair do sétimo andar. No entanto, obviamente, o ideal é não caírem de todo. Se tem um gato, tenha em conta que se trata de um animal ágil. Como tal, pode arriscar saltar por uma janela e cair facilmente. Todas as janelas e portas devem encontrar-se sempre fechadas ou em alternativa com redes mosquiteiras, no caso de morar acima de um primeiro andar.

 

Por: Joana Simões (HVP) vivapets.com


publicado por ne.jr às 12:11
link do post | comentar | favorito

O seu gato arranha e destrói a mobília

Aprenda como lidar com esta situação...


O seu gato arranha e destrói a mobília?

Os gatos não são maus nem têm a intenção de destruir quando cravam as unhas nos seus cortinados ou no seu sofá favorito. O que eles estão a fazer é a retirar tecido morto das unhas, exactamente como nós usamos uma lima para arranjar as nossas. Outra das razões que os leva a arranhar alguns objectos é a marcação do seu território, o que conseguem espalhando o seu cheiro através das glândulas existentes nas patas.

Para a marcação do seu território os gatos escolhem normalmente objectos mais com base no sítio onde encontram do que no material de que são feitos. Por exemplo, se o seu gato sentir a ameaça de outro gato que se passeia na frente da sua porta, provavelmente vai escolher para arranhar e "borrifar" um objecto que se encontre perto desse local, ou seja, na frente da porta.

Os gatos que saem de casa têm normalmente comportamentos mais destrutivos do que os que nunca saem. O mesmo acontece com gatos que são retirados às mães demasiado cedo.

Remoção das unhas

Talvez não haja procedimento que provoque mais controvérsia que a remoção das unhas de um gato através de intervenção cirúrgica. A operação cirúrgica, realizada com anestesia geral, envolve a remoção da unha e da porção de osso que contém a placa donde a unha cresce. Os veterinários de orientação médico/comportamentalista tendem a favorecer a remoção das unhas, enquanto que os de orientação comportamentalista /psicológica são contra. De facto, é um procedimento cruel, desnecessário e que pode provocar danos físicos e emocionais ao gato.

Alguns dos problemas físicos resultantes da remoção das unhas poderão ser:

  • dores no período pós-operatório, hemorragias e até mesmo gangrena.
  • dificuldade em cuidar de si próprio
  • dificuldade em trepar por não se conseguir agarrar. Logo, não pode subir às árvores para fugir dos cães e pode magoar-se ao tentar subir a sítios altos, pois como não se consegue agarrar, cai.
  • eliminação da sua capacidade de caçar

Qual é a alternativa à remoção das unhas?

Há maneiras mais humanas de impedir as destruições provocadas por um felino do que a remoção das unhas e os castigos corporais. Em vez disso tente implementar o seguinte programa:

Arranje alguns postes para o gato arranhar, brinquedos e um tapete para gato. Quando se gato estiver a arranhar o tapete ou os postes, preste-lhe atenção, olhe para ele, brinque com ele, afague-o. Dê-lhe um pouco de um alimento de que ele goste (queijo ou atum). Procure dizer sempre as mesmas palavras tais como: "óptimo, lindo gatinho".Não lhe preste muito atenção quando ele se encontrar longe do tapete ou dos postes.

Quando o apanhar a arranhar objectos indesejáveis, assuste-o com um "Scccchttt" "Não arranha".

Há várias maneiras de assustar um gato sem o magoar, tais como; molhar-lhe o focinho com uma pistola de água, ou com um borrifador ou usar um aparelho de ultra-sons. Também se pode conseguir dissuadir um gato de arranhar tornando os objectos repulsivos para o animal. Borrife os objectos (não o seu gato, claro…) com laca ou pimenta, ou cole fita adesiva de ambos os lados. Estas medidas devem ser complementadas com brinquedos e outros objectos que possam prender a sua (dele) atenção e que ele possa arranhar.

E lembre-se: os gatos arranham. É isso precisamente que fazem. E se não gosta que o seu gatinho arranhe a sua mobília, redireccione o seu comportamento, mostrando-lhe onde é que ele o pode fazer e satisfazer, assim, o seu instinto natural.

Afinal de contas, arranhar é um dos poucos prazeres da vida de que os gatos podem gozar. Não os privemos disso!
Fonte: VIVAPETS.COM

publicado por ne.jr às 11:10
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Animal não é um brinquedo...

. Dicas para que os animais...

. Este gato vai dar que fal...

. vejam...

. Como apresentar um cão a ...

. 10 Sinais que os Gatos fa...

. Criancinhas

. Curiosidades sobre gatos

. Factos e mitos acerca dos...

. Agressão felina

.arquivos

. Novembro 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds